terça-feira, novembro 15, 2011

"Ophiussa - uma cidade de Fernando Pessoa" - Uma Apreciação Crítica



Tive ontem a oportunidade de assistir ao filme/documentário "Ophiussa - uma cidade de Fernando Pessoa", realizado por Fernando Carrilho e produzido pela Videoteca Municipal de Lisboa.

A antestreia foi muito concorrida, tendo enchido a sala Manoel de Oliveira do Cinema São Jorge em Lisboa. O filme iniciou-se com algum atraso e só depois das palavras de circunstância dos responsáveis (Inês Pedrosa, António Cunha e Fernando Carrilho).

Devo dizer que não fiquei particularmente impressionado com a qualidade do mesmo. Como temia não passou de uma colagem demorada de poemas desgarrados a outras tantas imagens, também elas desgarradas, da cidade. Pelo meio, alguns clichés inevitáveis de Pessoa no seu quarto a escrever à máquina, a fumar ou com a barba a ser feita pelo também inevitável Manassés. Não houve uma narrativa coerente e o facto de se terem usado quase exclusivamente textos do "Livro do Desassossego" amarrou ainda mais o filme a uma sensação de se estar parado a ouvir ler poemas e não propriamente a ver algo para além dessa mesma leitura.

Nota também para uma discrepância incompreensível entre o título do filme e o resultado acabado: era suposto a cidade de Pessoa invocar a antiga nomeação Grega de Lisboa? "Ophiussa", a terra das serpentes - quantos jogos herméticos não se poderiam jogar com isto! Aliás, Pessoa tinha mesmo começado um texto hermético chamado "Caminho da Serpente"...

É perfeitamente louvável que filmes destes possam existir, pois acabam por ser inócuos e até agradáveis para a esmagadora maioria dos espectadores. Mas o facto é que não exigem muito do espectador porque não o tratam como mais do que um mero espectador. Qual é o objectivo de filmar poemas, quando se fica sempre aquém daquilo que sentimos quando os lemos? O cinema, enquanto arte, acaba aqui por não ser uma arte inteira, mas apenas acessória à literatura. E - digo eu - assim, mais vale termos apenas a literatura e as imagens da nossa imaginação.

Ps: sei que está a ser filmado outro filme pela Videoteca, desta vez em redor do encontro de Pessoa e Crowley. Só espero sinceramente que não se limitem a filmar o Guincho e em voz off leiam as cartas trocadas entre ambos...