quinta-feira, agosto 04, 2011

"A invenção do dia claro" - Uma Apreciação Crítica



"A invenção do dia claro" é o título de uma das famosas conferências dadas por Almada Negreiros em 1921. José de Almada Negreiros era talvez o mais activo dos artistas do movimento que rompe nos anos 20/30 em Lisboa e que mais tarde se denominará "modernista". Activo no sentido em que mostrava as suas ideias em exposições públicas e em conferências abertas ao público - um pouco no sentido inverso dos muitos escritores como Pessoa, que revelavam as suas ideias indirectamente, pelos jornais e revistas da época.

Acho importante destacar que Almada era visto um bocado como um extravagante, na maneira de vestir e de se expressar - um típico artista, numa muito conservadora sociedade do tempo, que o olhava sobretudo pela sua excentricidade. Todo o movimento futurista fica de certo modo marcado exteriormente por figuras "escandalosas" como Almada e Santa-Rita Pintor, que, no entanto, não são muito lembradas pelas contribuições teóricas para o mesmo.

Almada tinha, já em 1917, com o seu Ultimatum Futurista anunciado o futurismo às massas, por assim dizer, de uma maneira insidiosamente revolucionária e provocatória. Mas "A invenção do dia claro" é uma conferência diferente, mais teórica, mais interiorizada, cheia de ideias interessantes de um homem que não era só um provocador. Essa é - certamente - a primeira das suas qualidades. A outra é ser um texto eminentemente filosófico - como indica e bem Jerónimo Pizarro no prefácio. A terceira é ser um "texto pintado". Não explicaremos o que isto quererá dizer, basta que o leiam para compreenderem...

Resta dizer que Fernando Pessoa terá ficado tão impressionado com esta conferência que, quando abriu a sua editora Olisipo, inaugurou-a precisamente com esta edição. Chegou mesmo a traduzir parcialmente a conferência para Inglês (a tradução é incluída no volume).

Penso que é essencial - para compreender Pessoa - ler os textos que o impactaram. Este foi um deles e a figura de Almada uma das figuras que também o marcaram e influenciaram. Um melhor conhecimento da obra de Almada é também um melhor conhecimento da obra de Pessoa. Esta razão seria suficiente para recomendarmos vivamente a leitura deste volume, mas a ela acresce ainda a (grande) qualidade e ingenuidade da escrita de Almada Negreiros.

Ps: sobre Almada, recomendamos vivamente o documentário da RTP "Almada e Tudo" (disponível para ser visto online gratuitamente).

Este volume pode ser adquirido online, neste link.

Um agradecimento à editora Guimarães pelo envio de um exemplar para análise.