quarta-feira, agosto 17, 2011

"Associações Secretas" - Uma Apreciação Crítica



Fernando Pessoa foi no seu tempo, para espanto de muitos que o conhecem marginalmente hoje em dia, por direito próprio, um activista político. Dada a sua influência nos círculos culturais da época, conseguia ser publicado nos maiores jornais e, no último ano da sua vida, deu-se a publicação do que muitos consideram ser o seu texto político mais importante, intitulado "Associações Secretas". A presente edição dá a conhecer a história deste importante artigo.

O artigo é singular por diversos motivos (como bem indica José Barreto, prefaciador e organizador desta edição): trata-se de uma intervenção política aberta de Pessoa, em ruptura com o Salazarismo, falando a favor da maçonaria e escapando ao lápis da censura. Há que lembrar que Pessoa tinha editado em 1934 a "Mensagem" - um texto bem recebido pela estrutura política do país, sobretudo por António Ferro que queria trazer Pessoa para o lado dos intelectuais do regime.

Os efeitos da publicação do artigo (que ocupou diversas páginas, incluindo a primeira, no Diário de Lisboa de 4/2/1935) é visível nos documentos publicados agora por Barreto, que ilustram a reacção de Pessoa aos críticos. Os textos sucessivos de Pessoa foram censurados e por isso nunca apareceram nos jornais como respostas. O poeta pretendia mesmo editar um livro em que publicaria novamente o artigo, mas com anotações e explicações posteriores - claro que isso nunca aconteceu, nem seria permitido pela censura.

Toda a história deste artigo é explicada pelos textos publicados com grande rigor pelo organizador da edição. Ficamos com uma ampla visão da maneira como Pessoa, no último ano de vida via Salazar e a sua política e, mais importante, como se distanciava cada vez mais dela ao ponto de eventualmente - se tivesse sobrevivido mais tempo - se tornar um opositor ferrenho da mesma. Realce para um excelente posfácio, que descreve pormenorizadamente toda a história do artigo, bem como as possíveis razões para o mesmo ter passado pela censura. O mesmo posfácio faz - como nos acostumou já Barreto - um bom resumo do enquadramento político deste texto no seu tempo (político).

Trata-se, em resumo, de uma edição de grande valia, que traz achegas muito valiosas para compreendemos o papel político de Pessoa em 1935 e a maneira como o próprio sistema político da época se via confundido pela sua figura.

Este volume pode ser adquirido online, neste link.

Um agradecimento à editora Ática pelo envio de um exemplar para análise.