segunda-feira, agosto 01, 2011

"Argumentos para Filmes" - Uma Apreciação Crítica



"Argumentos para Filmes" é uma edição da Ática (Obras de Fernando Pessoa | Nova Série) que reúne vários inéditos que Pessoa escreveu para o cinema. Trata-se de um volume que causou algum impacto na comunicação social, que não é muito habitual em redor de edições deste tipo, mas que certamente merece a nossa atenção.

Desde logo porque se pensava (ou pelo menos muitos pensavam) que Pessoa não tinha grande consideração pela 7.ª arte. Tinha existido uma edição Francesa de alguns argumentos, por Patrick Quillier, mas que acabou por não ter ampla divulgação mesmo dentro do restrito universo Pessoano. Mas seria inevitável que Pessoa, sempre atento às novidades do seu tempo (a todos os níveis do conhecimento e da arte) não fugisse ao impacto do cinema. Curiosamente um seu amigo, Eliezer Kamenesky (poeta Russo que vendia livros e era vegetariano) tornou-se actor em dois dos filmes Portugueses mais conhecidos de todos os tempos - "O Pai Tirano" e "O Pátio das Cantigas".

Não sabemos até que ponto a convivência próxima com Eliezer afectou a visão de Pessoa relativamente ao cinema, mas é certo que ele viu o cinema com grande seriedade, chegando a incluí-lo nos seus (infindáveis) planos comerciais - desenhou mesmo um logotipo para uma empresa cinematográfica chamada "Ecce Film". Para quem se limitava apenas pela imaginação, não existiam realmente limites.

No volume que agora apresentamos, toda esta história do (desconhecido) fascínio de Pessoa pelo cinema é descrita com pormenores detectivescos deliciosos pelos editores Patricio Ferrari e Claudia Fischer.

Quanto aos argumentos propriamente ditos , eles são fragmentários e não muito consistentes, como seria de esperar. Não deixam de lembrar um pouco as novelas policiárias do inspector Quaresma, embora sejam mais ligeiros e despretenciosos. Pormenor curioso é a existência de alguns diálogos prolongados, o que poderá indicar que Pessoa já vira filmes sonoros (os editores tendem mais à hipótese contrária, face à datação dos documentos). São ainda incluídas notas de Pessoa sobre cinema e cartas trocadas sobre o tema. A edição é bilingue (ou melhor, trilingue, porque é em Português, Inglês e Francês) e inclui alguns originais a cores, o que enriquece bastante o conjunto.

São incluidas ainda: apêndice com o aparato genético (julgo que é a primeira vez que o vejo incluido numa edição de pequena dimensão), uma lista de filmes exibidos na época e um excelente posfácio de Fernando Guerreiro (um especialista em história do cinema que esteve na apresentação oficial do livro e que enquadra o que foi o cinema nos anos 20/30).

Indiscutivelmente esta edição é uma das mais completas que tivemos oportunidade de analisar nesta nova colecção. Corre mesmo o risco de ser uma das mais volumosas, mas a densidade dos estudos e materiais incluídos justifica plenamente a aquisição, mesmo que as páginas de Pessoa acabem apenas por se resumir a cerca de 30/40 do total de páginas do volume (que tem mais de 180).

Este volume pode ser adquirido online, neste link.

Um agradecimento à editora Ática pelo envio de um exemplar para análise.