segunda-feira, janeiro 17, 2011

"Os Sonetos Completos de Antero de Quental" - Uma Apreciação Crítica



A Guimarães Editores, em parceria com a Fnac, continua a dar continuação a um plano editorial de Fernando Pessoa, que nunca chegou a ser concretizado totalmente na sua editora Olisipo. Desta vez temos oportunidade de ler "Os Sonetos Completos de Antero de Quental", numa edição a cargo de Patrício Ferrari.

Creio que não é descabido reforçar a importância deste esforço editorial, que nos dá a conhecer - de modo muito linear - as obras que Pessoa considerava importantes (ou mesmo essenciais) para alguém ler no seu tempo. São obras que marcaram o poeta e que, necessariamente, marcaram a sua obra e o seu pensamento.

Quental teve influência em Pessoa, como muitos outros poetas. Nele Pessoa parece ter encontrado uma espécie de irmandade no sofrimento, pois disse, numa passagem o seguinte: "I am never happy, neither in my selfish, nor in my unselfish moments. My solace is reading Antero do Quental. In me, after all, Luther-spirit. Oh, how I understand that deep suffering that was his". Há que lembrar que Antero foi um poeta que quis mudar o país pela literatura (e que de certo modo falhou, acabando por se suicidar) - o que lembra instantaneamente os esforços do próprio Pessoa. Pessoa acreditava piamente que a mudança política deveria andar de mãos dadas com a mudança cultural (literária), como se pode ler em diversos fragmentos que escreveu e considerava um pioneiro nessa visão revolucionária, ao ponto de Campos o apelidar de génio inovador.

Como bem indica Ferrari no seu Posfácio, a influência de Quental no jovem Pessoa é profunda, sobretudo a partir de 1908, quando ele começa a escrever em Português. Ao lado de Quental estariam nomes como Junqueiro, Nobre e Cesário Verde.

Sinal dessa mesma influência é o esforço que Pessoa empreendeu na tradução de muitos sonetos (que são também publicados neste edição). Desde cedo percebemos que o maior tributo que Pessoa podia dar a um autor era tentar traduzi-lo para Inglês. Fê-lo com Sá-Carneiro, com Botto, com Antero, etc...

Pessoa admirava em Antero o seu pensamento e não apenas a forma lírica da sua poesia. É preciso ter isso em atenção quando lemos estes poemas, e colocar-mo-nos na posição de Fernando Pessoa a ler-se a si próprio, ou melhor, lendo uma projecção passada de si próprio: um poeta com alto grau de racionalização poética, que tentou mudar a sociedade do seu tempo pela literatura, tendo no final sucumbido a uma saída trágica e suicida.