quinta-feira, fevereiro 11, 2010

"Encontro Magick" - Uma Apreciação Crítica



"Encontro Magick", um livro elaborado pelo sobrinho de Pessoa, Miguel Roza, e inteiramente dedicado ao encontro entre Fernando Pessoa e Aleister Crowley e posterior correspondência entre ambos, no período entre 1930 e 1932, é reeditado agora pela Assírio & Alvim, sendo que a edição original, de 2001, se encontrava esgotada há vários anos.

O principal interesse desta obra, quando foi originalmente editada, era o acesso ao manuscrito "Mouth of Hell", uma novela policial semi-acabada por Pessoa, que estava, nessa altura, ainda na posse dos seus herdeiros, no chamado "Dossier Pessoa-Crowley". Esse mesmo dossier viria a ser licitado por cerca de 60.000€ pelo Estado, no leilão Pessoa em Novembro de 2008 e encontra-se agora na Biblioteca Nacional integrado no espólio do poeta.

Sendo que o manuscrito está agora junto do espólio, o interesse pode ter desvanecido ligeiramente, mas visto que não temos conhecimento de nenhuma outra edição pública do mesmo, digital ou em papel, não podemos deixar de indicar esta mesma razão como a mais forte para qualquer Pessoano querer adquirir este livro.

Mas julgo que "Encontro Magick" oferece algo mais aos interessados. Não se tratando de um estudo propriamente dito - Roza apenas lista cronologicamente a correspondência relevante, com comentários muito ligeiros, sendo que no final nos deixa com o original já mencionado - é precisamente essa a sua principal atracção: o facto de podermos "seguir" quase dia-a-dia, a aventura que foi o encontro entre estas duas misteriosas personagens. Miguel Roza dá a sua opinião, mas não se intromete demasiado, o que permite ao leitor tirar as suas própria conclusões.

Foi isso mesmo que eu pude fazer, lendo apenas as cartas, sequencialmente. Isso permitiu-me chegar, por exemplo, a uma hipótese que nunca me tinha ocorrido, só de ler outros estudos, como o de Steffen Dix (in "Fernando Pessoa: O Guardador de Papéis", Texto Editora, 2009, págs. 39-81) ou de Marco Pasi ("Aleister Crowley e la tentazione de la politica", FrancoAngeli, 1999).

A hipótese a que cheguei seria acerca das motivações por detrás do próprio suicídio fingido. Quanto a mim - e apenas pela leitura das cartas - pareceu-me que tudo foi motivado por razões económicas, para gerar polémica em volta do nome de Crowley e promover as suas obras e uma nova empresa que ele queria montar em Inglaterra (salvo erro denominada Aleister Crowley Ldt). Pareceu-me a melhor resposta e não um eventual desejo de Crowley chatear a sua mulher escarlate Hanni Jaeger.

É interessante como a leitura crua epistolográfica se tornou muito agradável. Como, por fora, quase nos sentimos espectadores de uma ficção da vida real. Esta sensação de vouyerismo da vida de Pessoa talvez só encontre paralelo na leitura das suas cartas de amor, ou então lendo o magnífico "A Conspiração dos Antepassados" de David Soares.

E isso leva-nos a um outro ponto interessante. Tendo todas as cartas à disposição, vê-se também um certo paralelo entre Crowley e Ophélia. Explico. Crowley é sempre mais expansivo do que Pessoa e Pessoa resiste sempre, um pouco como acontece com as cartas dele com a sua amada Ophélia, em que esta escreve muito mais, de forma muito mais intensa, e recebe invariavelmente missivas mais curtas e mais espaçadas.

Vê-se bem a utilidade desta obra, que recomendo vivamente a quem não a possua. Dá-nos um insight sem paralelo para a análise deste episódio fulcral da vida de Pessoa, que nenhum estudo só por si nos pode dar.

O livro poderá brevemente ser adquirido online, neste link.
Agradecimentos à Assírio & Alvim pelo cortês envio de um exemplar para análise.