terça-feira, fevereiro 23, 2010

"Carta a um Herói Estúpido" - Uma Apreciação Crítica



"Carta a um Herói Estúpido" é uma edição da mítica editora Ática (a primeira a editar a "obra completa" de Fernando Pessoa, sob a orientação de Luiz de Montalvor), que reúne os fragmentos escritos por Pessoa tendo em vista uma "reacção" à chegada de um herói de guerra, agora já esquecido mesmo pelos livros de história, chamado Francisco de Aragão.

Pessoa terá lido a notícia do regresso do herói e a sua respectiva entrevista ao jornal A Capital, de 24 de Agosto de 1915. Nela Aragão fala do seu cativeiro de sete meses em Naulila, Angola, com palavras que acenderam - ao que se entende - o espírito crítico de Pessoa, ao ponto da autoria dos textos roçar a heteronímia, para o lado do seu irmão com a língua mais picante, Álvaro de Campos.

Jerónimo Pizarro, responsável pela fixação do texto, pelas notas e pelo pequeno prefácio, pretende com esta edição dar mais relevância a este "texto de intervenção" e de facto percebe-se a sua atitude. Sobretudo porque no que toca aos "textos de intervenção social" dos heterónimos (usamos a expressão de António Quadros), este texto fica na sombra de outros, talvez sobretudo do Ultimatum de Álvaro de Campos, não sendo devidamente analisado.

Como era habitual em Pessoa, o texto, embora dirigido a uma pessoa real, usava essa mesma pessoa para simbolizar as suas próprias opiniões, sobretudo políticas e patrióticas. Mas - como bem indica Pizarro - este tipo de textos não se deve dissociar do próprio movimento modernista, que está cheio de manifestos e panfletos pedindo a mudança social.

Quanto a mim é muito interessante a leitura deste texto, que num volume próprio mostra uma coerência que lhe pode dar mais significado, sendo que podemos compreender o sentido de humor de Pessoa e a sua crítica por vezes corrosiva da situação política do país à época. O jogo heteronímico que é mencionado (sendo a autoria talvez perto de um Pessoa-Campos) também se entende pela própria força das palavras, que pouco são medidas pelo autor.

A edição é muito cuidada e torna-se muito interessante para todos os amantes e estudiosos de Fernando Pessoa. Só teremos um apontamento a fazer, que será o de não ter sido incluído o texto da tal "entrevista" de Aragão ao jornal A Capital, que gera tão grande reacção em Pessoa. Seria muito interessante poder ler o texto do "herói estúpido", para depois compreender melhor as críticas de Pessoa. É incluída uma imagem da entrevista, mas cuja leitura é de todo impossível.

Update: por gentil indicação do Prof. Pizarro, deixamos aqui o link para a tal entrevista de Francisco Aragão (PDF).

O livro pode ser adquirido online, neste link.
Agradecimentos à Ática pelo cortês envio de um exemplar para análise.