quinta-feira, setembro 24, 2009

Lançamento de "Passageiros da Neblina"



Tive o prazer de assistir ontem ao lançamento do livro "Passageiros da Neblina" de Montserrat Góngora, na Casa Fernando Pessoa. A sessão de lançamento contou ainda com a presença de José Anes e Paulo Cardoso, que falaram um pouco sobre os aspectos esotéricos e astrológicos que estiveram na base do encontro entre Aleister Crowley e Fernando Pessoa.

Deixo as minhas impressões sobre o que foi anunciado a priori sendo o "colóquio Crowley e Pessoa - Realidade e Ficção".

Na realidade não houve nenhum "colóquio". A maior parte do tempo da apresentação foi tomado por Inês Pedrosa, que, nervosamente, lá lançou a sua opinião sobre o romance, no seu já característico intelectualismo bacoco, fastidiosa e demasiado vazia de conteúdo. Conseguiu adormecer a audiência e contou-nos praticamente todo o romance ponto-a-ponto, só faltou mesmo ler a última página em voz alta.

Paulo Cardoso e Anes no entanto tiveram intervenções mais interessantes. Cardoso explicou o detalhe da correcção do horóscopo de Crowley por Pessoa e deu mais uma vez a entender que é realmente o único Pessoano versado neste lado de Pessoa que existe em Portugal. Pena é que nada vá saindo de obras de análise ou de inéditos astrológicos...

José Manuel Anes deixou um pormenor interessante. Segundo ele Pessoa terá sido mesmo iniciado por Crowley em Lisboa - um facto polémico que nunca se confirmou. Existirá no entanto uma carta de Raúl Leal (amigo de Pessoa) em que este se diz iniciado por Crowley na sua casa e uma carta posterior que menciona que a tal "iniciação" terá feito muito mal a ele e a Pessoa. Tentaremos certamente investigar esta carta e voltaremos a este assunto noutra ocasião.


Destaque ainda para a autora, que contou candidamente a origem da ideia do livro e falou um pouco de como o escreveu. Surpreendeu pela humildade e simpatia, um pouco o oposto de Inês Pedrosa. Segundo ela a ideia veio de uma visita em 2005 - outros livros dela tinham nascido de visitas a outros pontos da Europa. Perdeu-se em volta de Sintra e foi parar ao Cabo da Roca e à Boca do Inferno, culminando na ideia do romance. Montserrat no entanto pareceu ignorar (bem como Anes) que já tinha sido escrito um romance parecido em Portugal - "A Conspiração dos Antepassados" de David Soares. Perguntei directamente à autora e a sua expressão foi de real surpresa.

Tentarei em breve ler o livro para colocar aqui uma crítica mais extensa.

Ps: por falar no David, ele publicou no blog alguns pequenos vídeos sobre Crowley, que vale bem a pena ver (são pouco mais de 10 minutos).